sábado, 16 de janeiro de 2010

Qual a direção a ser seguida?

Por todo o trajeto do caminho não há como se perder.
Ele é todo demarcado com sinais...a maioria deles na cor amarela.


São respeitados por todos...garantia de caminhada segura e tranquila em locais onde você anda absolutamente só.


Pode-se encontrar um montinho de pedras...simbologia dos celtas.


Ou você vê uma bota velha de criança...que fez lembrar meu neto.


Ou uma seta pintada numa árvore...


Pode ser uma Espada Crucífera...símbolo da Ordem de Santiago.


Pode ser uma concha na rua.


Ou na tampa de um bueiro.


Ou na parede de uma casa.


As conchas são símbolos muito antigos...


Na Idade Média trazer uma concha consigo era sinal de que o peregrino havia chegado ao final da peregrinação...ao fim da terra...ao mar...que para eles era o fim do mundo.
Contarei mais sobre isso depois.

É claro que toda a atenção era necessária.
Isso seria até fácil...mas não quando o cansaço e a exaustão te acompanhavam.

Havia um peregrino alemão, Klaus, atrás de mim na foto, que me salvou de uma errada feia.
Estava concentrada nos meus passos...mas distraída e absorta em meus pensamentos...e não visualizei um desses sinais.



Ele deu um grito..."Hi you with the red jacket! Wrong way!!!".
"Ei você de casaco vermelho! Caminho errado!!!".

Sua voz ecoou no silêncio e me trouxe de volta...retornei ao planeta!

Eu já estava uns 500 metros adiante...e para o peregrino, voltar era sempre um sacrifício...passos para trás desanimavam...como na própria vida.


O ruído compassado dos bastões no chão hipnotizava de tal maneira que quase me desconectava do espaço!
Mais ainda no meu caso que caminhava a maior parte do tempo sozinha.
"Thank you forever, Klaus!".

Eu caminhava com dois bastões e essa decisão me custou bastante a ser tomada...em meus sonhos mais românticos e poéticos sobre o Caminho de Santiago me imaginava caminhando com um cajado de madeira...uma peregrina à moda antiga.

Com seu cão ao lado este peregrino caminhava sem bastão.


Este outro também...não sei como conseguiam.


Há muitos que caminham com um cajado.

Esse pedaço de madeira é escolhido  na mata quando iniciam a caminhada...sem esse apoio é quase impossível andar...é a contribuição da Mãe Natureza doando a terceira perna no prolongamento de um dos braços do peregrino. 


E há os peregrinos "high-tech" que como eu, caminhavam com bastões do século XXI...que maravilha...eu tinha quatro pernas!  

2 Comentários:

Blogger Maria Aparecida disse...

Dicas importantes para os próximos aventureiros. Sou da era "high-tech"... rs, rs, rs.

21 de janeiro de 2010 23:31  
Blogger Leila Liz disse...

E eu não sei?!?!?!..hehehe

22 de janeiro de 2010 12:00  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial